terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Durval Pereira Neves Homenageado

Ontem, dia 07.12.2015, foi um dia muito especial...

Meu pai, Durval Pereira Neves, com quase 95 anos de idade foi homenageado na sessão da Câmara Municipal de Araçatuba pelos relevantes seviços prestados na Comunidade do Bairro Traitu.

Em requerimento da Vereadora Beatriz Soares Nogueira foi votado um voto de Aplauso ao meu pai, que ficou muito emocionado. A vereadora queria fazer uma homenagem ainda em vida e valeu a pena estar lá...

Estavam presentes minha mãe, Lázara Sampaio Neves, Dinorá Pereira Neves, Décio Pereira Neves e Luita Neves (neta). Foi uma satisfação estar presente e ter registrado esta ocasião.

Parabéns, meu Pai, Durval Pereira Neves, pelo seu exemplo não só em família como também em todas as comunidades onde viveu... Parabéns!!!

Veja fotos e vídeo do evento...


video









domingo, 21 de junho de 2015

ROTEIROS PARA REFLEXÃO SOBRE A LITURGIA DOMINICAL

12º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B - 21/06/2015


JESUS, SENHOR DA NATUREZA
“Não tenham medo!”

COMPROMISSO DE VIDA: Pedir ao Pai do céu que nunca nos falte o dom da fé e da confiança em sua presença em nossa vida. Confiemos na presença de Jesus em todos os momentos da nossa vida! Ele nos convida a vencer nossos medos e inseguranças e enfrentar com coragem e fé as dificuldades que possam aparecer em nossa existência.

As leituras de hoje nos convidam a deixar nossos lugares costumeiros, a perder o medo e partir para a outra margem. Enquanto estivermos dando demasiada atenção aos nossos problemas pessoais (à semelhança de Jó), não teremos abertura para evangelizar o mundo. O mundo parece estar no caos, as ondas se lançam contra a barca, mas Deus está no controle; é necessário arriscar-se em direção ao novo.

Aventurar-se a sair do ambiente judaico foi o desafio das comunidades do final do primeiro século de nossa era. Após a morte de Jesus, em tempos de conflito, perseguições e medo, e contra aqueles que queriam fechar-se num gueto, alguns cristãos sabiam que o evangelho deveria ser anunciado ao mundo inteiro e deram início a uma ousada marcha de saída de si.

Por isso, assegura-nos o apóstolo que as coisas velhas passaram, temos de nos renovar. Vamos abrir as janelas da Igreja para que o vento do Espírito Santo remova todo o mofo que ali se acumulou, como diria o papa João XXIII. Que os pastores tenham o cheiro das ovelhas, diz o papa Francisco.

Deus preocupa-se com os dramas dos homens? Onde está Ele nos momentos de sofrimento e de dificuldade que enfrentamos ao longo da nossa vida? A liturgia do 12º Domingo do Tempo Comum diz-nos que, ao longo da sua caminhada pela terra, o homem não está perdido, sozinho, abandonado à sua sorte; mas Deus caminha ao seu lado, cuidando dele com amor de pai e oferecendo-lhe a cada passo a vida e a salvação.

A primeira leitura fala-nos de um Deus majestoso e omnipotente, que domina a natureza e que tem um plano perfeito e estável para o mundo. O homem, na sua pequenez e finitude, nem sempre consegue entender a lógica dos planos de Deus; resta-lhe, no entanto, entregar-se nas mãos de Deus com humildade e com total confiança.

No Evangelho, Marcos propõe-nos uma catequese sobre a caminhada dos discípulos em missão no mundo… Marcos garante-nos que os discípulos nunca estão sozinhos a enfrentar as tempestades que todos os dias se levantam no mar da vida… Os discípulos nada têm a temer, porque Cristo vai com eles, ajudando-os a vencer a oposição das forças que se opõe à vida e à salvação dos homens.


A segunda leitura garante-nos que o nosso Deus não é um Deus indiferente, que deixa os homens abandonados à sua sorte. A vinda de Jesus ao mundo para nos libertar do egoísmo que escraviza e para nos propor a liberdade do amor mostra que o nosso Deus é um Deus interveniente, que nos ama e que quer ensinar-nos o caminho da vida.

Primeira Leitura: Jó 38,1.8-11
Esta leitura contém a resposta de Deus às perguntas angustiosas de Job e ensina-nos a superar a tentação do desânimo e o desespero, descobrindo na própria solidão e fraqueza, a presença reconfortante de Deus.

Salmo 106/107
O salmo de meditação é um hino de louvor à bondade de Deus que na Sua providência acompanha os homens nas suas dificuldades.

Segunda Leitura: 2 Coríntios 5,14-17
S. Paulo convida-nos a entrar num novo estilo de vida como consequência da nossa inserção no mistério de Cristo Ressuscitado.

Evangelho: Marcos 4,35-41
A atividade libertadora de Jesus é a grande «visita» de Deus que vem salvar o Seu povo. Essa visita é a manifestação do amor compassivo, que atende os mais pobres e necessitados.



Sugestão de páginas para estudo e compreensão de Liturgias Diárias e Dominicais:



Homilias e Sermões com Comentário Exegético:

                                    http://www.npdbrasil.com.br/religiao/rel_hom_gotas0215.htm

Vídeo YouTube:        https://youtu.be/vl38HGWzYYA

MISSA ONLINE (disponível no domingo de 09h00 às 23h00):                                                                                               http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm



PISTAS PARA REFLEXÃO

Não tenhamos medo, vamos para a outra margem. Este deve ser o grito de ordem para as comunidades de nosso tempo. Apesar do que vem insistindo o papa Francisco, ainda há muitos católicos que querem uma Igreja fechada, com o evangelho enclaustrado em estruturas arcaicas. Mas Jesus, por meio das Sagradas Escrituras, Palavra de Deus que julga nossas ações, insiste ainda agora, no crepúsculo da história do cristianismo: “Vamos à outra margem, meu Pai está no controle, eu conduzo o barco, as coisas antigas passaram, novas são todas as coisas, não tenham medo!”

A salvação depende disto: reconhecer a presença do Senhor e recorrer à sua ajuda. De fato, ele estava mais próximo do que os discípulos podiam imaginar. Donde a necessidade premente da fé. O Senhor protege a comunidade das investidas do mal. Os discípulos, por estarem em suas mãos, não têm por que temer seus adversários.


Ver texto completo em: Roteiro Homilético Homilético: http://www.npdbrasil.com.br/religiao/rel_hom_roteiro.htm

Dermeval Neves

Fontes externas para Reflexão e dos Comentários das Leituras:
Roteiro Homilético da Revista Pastoral da Paulus: http://vidapastoral.com.br/roteiros

SINAIS DO SAGRADO no NPDBRASIL

Caríssimos Irmãos e Irmãs,

Que a Paz de Jesus e a Ternura de Maria estejam sempre com todos vocês!

Na WEBTV NPDBRASIL - http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm - estamos retransmitindo os programas do Padre Reginaldo Manzotti em parceria com a Rede Evangelizar.


No programa SINAIS DO SAGRADO o Padre Reginaldo Manzotti reza o NOVENÁRIO PERPÉTUO, com um tema específico para cada semana.

Informamos que o programa SINAIS DO SAGRADO é transmitido pela TV Gazeta diariamente à 01h00 da madrugada, mas como muitos de nossos irmãos e irmãs não podem ver o programa neste horário ou não tem acesso à TV Gazeta em suas regiões, fizemos uma parceria com a Rede Evangelizar para manter a reprise do programa o dia todo no nosso site - http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm - para que todos os interessados possam fazer a novena a qualquer momento do dia. Assim, não tem desculpas para não participar desta obra maravilhosa: EVANGELIZAR É PRECISO!

Vale a pena participar da Novena, pois de novena em novena graças e bençãos são derramadas.  E como diz o Padre Reginaldo Manzotti: Só pare de pedir a Deus a graça necessária, quando puder dizer Obrigado, Meu Deus!

Na mesma página você pode assistir também a reprise do programa EVANGELIZA SHOW desta semana usando a opção 2 do player. E depois reze também o Terço da Misericórdia, clicando na opção 3.

Participe e convide um(a) amigo(a) para participar também. Divulgue e Compartilhe!

Vamos Evangelizar, pois EVANGELIZAR É PRECISO!

Uma feliz e santa semana a todos!

EVANGELIZA SHOW – PADRE REGINALDO MANZOTTI

Queridos Amigos e Amigas, Irmãos e Irmãs em Cristo...


EVANGELIZA SHOW
Padre Reginaldo Manzotti

Assistam ao programa Evangeliza Show desta semana no NPDBRASIL - http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm - Um programa especial onde o Padre Reginaldo trata do assunto com muita propriedade junto com convidados especiais em cada programa. Assista, compartilhe e indique!

Você precisa ver este programa! Conselho de irmão...

O programa estará disponível no site durante toda a semana para que você possa se programar para assisti-lo. Acesse a Opção "EVANGELIZA SHOW" no vídeo player da página indicada.


Para quem ainda não conhece o programa: ele é feito em três partes: a) a primeira com a leitura orante do Evangelho, apresentação musical, aconselhamento e início das discussões sobre o tema do dia;
b) a segunda parte tem músicas e a continuação do tema com entrevistas, apresentação de pesquisas e reportagens sobre o assunto, interação através das redes sociais e apresentação musical;
c) a terceira parte é dedicada inteiramente à adoração do Santíssimo Sacramento, orações voltadas para o tema tratado no programa e a benção final. Todos os programas são sempre muito emocionantes e vale a pena dedicar uma hora de sua semana no aprendizado de temas importantes, de um pouco de diversão saudável e as orações com a benção do Santíssimo. 

Um programa alegre e com diversas atrações feitas com amor... IMPERDÍVEL...

A reprise do programa fica disponível durante toda a semana... Ah!... Aproveite para falar deste programa e do nosso site - www.npdbrasil.net.br - para seus amigos e amigas. Compartilhe...

AJUDE A DIVULGAR ESTE PROGRAMA, POIS TEM AJUDADO A MUITOS
EM DIVERSOS TEMAS SEMANAIS...

No domingo, nesta mesma página - http://www.npdbrasil.net.br/tvNPD.htm - assista a Missa a qualquer momento, se não puder ir a uma Igreja...  Vá à missa na Igreja de sua paróquia e participe ativamente da celebração, mas se você ou alguém da família não puder ir à Igreja, podem participar através desta página no NPDBRASIL...

Feliz Final de Semana na Paz do seu lar e no amor de sua família...

Um fraternal abraço em Cristo,

Dermeval Neves

DOMINGO É DIA DE MISSA

Caríssimos Irmãos e Irmãs em Cristo Jesus


Todo domingo eu tenho um compromisso: se eu não for à missa fico todo atrapalhado...  Assim começa uma das canções da querida amiga Irmã Carol e que serve de exemplo para todos nós... (ver link do site da Irmã Carol no final da página)

Como é gostoso ir encontrar com Deus e com meus irmãos e irmãs da comunidade na missa de domingo... Melhor ainda quando a gente consegue levar toda a família, pois aí sim a nossa missão de pai e mãe fica completa, pois família que reza unida permanece unida...

Mas, infelizmente tem alguns irmãos e irmãs que por motivo de doença não podem ir à Igreja e para isso eu coloquei no meu site a Missa Gravada para que possam participar do Sagrado Sacríficio Dominical, mesmo que de maneira virtual. 

A missa rezada pelo Padre Reginaldo Manzotti na Matriz de Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba, está disponível todos os domingos no site:


Se você está entre aqueles que não podem ir à Igreja, recomende e assista a missa pelo NPDBRASIL, mas se você está bem de saúde vá a missa e participe ativamente junto com sua comunidade. Garanto a você que vai se sentir muito bem e se for na missa da manhã, aí sim o seu domingo será feliz e completo, com as bençãos de Deus.

Um santo a abençoado domingo a todos nós!

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

DEUS, NÓS E A POLÍTICA...

Sei que o texto é longo, mas não podia deixar de exprimir minha opinião de cidadão cristão e peço que você leia e comente, se quiser...

DEUS, NÓS E A POLÍTICA...

Respeito a opinião de quem votou neste domingo, 26.10.2014, e que levou ao resultado que tivemos, mas vejo com tristeza que mais uma vez a desgraça e um futuro negro se abate sobre nosso país...

Cada um de nós precisa evangelizar mais, viver a vida com honestidade e santidade e ajudar cada irmão ou irmã a ter mais fé em Deus... A trazer Deus de volta para suas vidas, para suas casas e suas famílias, pois para o governo quanto mais desesperança em Deus existir, mais eles se fortalecem...

E rogo ao nosso Pai Celestial que tenha piedade de nós os reais trabalhadores que sustentam os pobres desse país, que ao invés de serem instruídos a crescer na vida e buscar sua própria independência através de boa formação e de um trabalho digno, são incentivados a se manter na pobreza sustentada pelo governo...

Pobres mantidos no cabresto perpetuam os dominantes no poder e se sentem felizes, pois são iludidos por uma realidade onde o pouco que recebem do governo para sobreviver lhes parece bastar, pois percebem que não precisam trabalhar e nem estudar... Assim enganados, não enxergam o buraco onde estão se metendo e o resultado nefasto que isso trará para si mesmos, seus filhos e netos...

Não os culpo por agirem assim, porque a real Cultura e Educação de um povo não são metas do governo atual, uma vez que isso abriria os olhos e as mentes de todos seus eleitores cabrestados e dominados por uma mídia perversa e muito bem engendrada e eles seriam eliminados da vida pública para sempre...

Cultura e Educação de um povo não deve mesmo ser meta de nenhum governo, mas sim da consciência coletiva enraizada na mente de cada um que dentro de sua própria casa, junto dos seus familiares, parentes e amigos, buscam desenvolver uma consciência de honestidade, de ética, de amor a Deus, de amor próprio, de amor ao próximo, de uma religião e de uma busca maior pelo bem-estar de todos os seres humanos, amando a todos incondicionalmente...

Só espero que nosso país não se torne como Cuba ou Venezuela com a debandada geral de investimentos estrangeiros que vai ocorrer daqui pra frente, a falência geral do setor sucro-alcooleiro-energético, a degradação da agricultura, o empobrecimento da classe alta e média, o fechamento das indústrias que em sua maioria estão deficitárias com os altos impostos e custos trabalhistas, a escalada da inflação, o baixo PIB sem crescimento à vista no curto prazo, o aumento da corrupção e do enriquecimento ilícito de nossos governantes e políticos em geral, que se aproveitam da impunidade que vigora em nossa amada pátria Brasil em razão das leis que eles mesmos criaram para se proteger dos castigos inerentes aos corruptos e corruptores...

Que cada um de nós tenha a sabedoria de buscar uma vida melhor através do trabalho, do estudo continuado, da preservação da família e da certeza de Deus está em nossas vidas a cada momento.

Que possamos escutar sua Palavra e aplicá-la realmente a cada momento de nossa curta existência...

Que Deus abençoe a todos nós!

Dermeval Neves - 27.10.2014 - 01h58

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Toque do Silêncio

Conta a história que tudo começou em 1862, durante a Guerra Civil Americana, quando o Capitão Robert Ellicombe do Exercito da União estava com os seus homens perto de Harrison’s Landing, na Virginia. OExercito Confederado estava do outro lado de uma estreita faixa de terra.

Durante a noite, o Capitão Ellicombe ouviu os gemidos de um soldado caído gravemente ferido no campo. Sem saber se era um soldado da União ou um inimigo Confederado, o Capitão decidiu arriscar a sua vida e trazer o homem atingido para os cuidados médicos.

Arrastando-se, deitado, alcançou-o e começou a puxá-lo em direcção ao seu acampamento. Quando finalmente alcançou as suas linhas, descobriu que o soldado era na realidade um Confederado, e que entretanto havia morrido. O Capitão acendeu uma lanterna e na obscura luz viu a sua face. Era o seu próprio filho. O rapaz estava a estudar música no Sul quando a guerra começou e, sem falar com ninguém, tinha-se alistado no Exercito Confederado.

Na manha seguinte, o Capitão pediu permissão aos seus superiores para lhe dar um funeral com honras militares, apesar de ser um soldado inimigo: Pretendia que os membros da banda militar tocassem um hino para o funeral, mas os comandantes não concordaram...no entanto, e por respeito ao pai, dispuseram somente do corneteiro da Companhia. Então, o pai pediu-lhe que tocasse as notas musicais que havia encontrado num pedaço de papel no bolso do uniforme do próprio filho. Nasceu assim a melodia executada em funerais militares e que conhecemos como..

TOQUE DO SILÊNCIO

magnífica interpretação de Melissa Venema
Orquestra; André Rieu

quinta-feira, 1 de maio de 2014

CONCÍLIO VATICANO II - INTER MIRIFICA

INTER MIRIFICA: A comunicação ao serviço do Evangelho

O Decreto Inter Mirifica surgiu partindo de uma necessidade de orientar os cristãos e convocá-los ao reto uso dos meios de comunicação. Foi um modo encontrado para que houvesse o reconhecimento da importância da comunicação de massa como meio capaz de movimentar indivíduos e sociedades e o seu valioso auxílio para o desenvolvimento do ser humano e da evangelização. Nas próximas edições trabalharemos um pouco mais sobre este decreto.

No capítulo I o documento focaliza temas variados e mais genéricos. Já, de início, os bispos reconhecem a importância de a Igreja utilizar dos meios de comunicação para a evangelização, mas sempre respeitando o seu código moral e reto uso, nos conteúdos, na finalidade, no público e assim por diante. Deve também contribuir para formar uma reta opinião pública, pois todos têm direito à informação e à verdade.

Atenção especial deve ser dada aos jovens, não deixando de traçar linhas para todos os receptores e autores, aos quais cabem as principais obrigações morais, pois são os responsáveis pelos media. Por fim, chama a atenção das autoridades civis para os seus deveres de controlar abusos, garantir a liberdade de expressão, favorecer as boas iniciativas e defender o receptor.

A segunda parte do documento tem como tema central os meios de comunicação a serviço da missão católica. Incentivam e orientam, nesta parte, o uso dos meios de comunicação para o apostolado, para promover a boa imprensa, uma comunicação com valores e dignidade.

A Igreja deve preocupar-se com a formação dos autores, para poderem dirigir as produções e emissões. Deve ter meios de comunicação próprios, o que incentivou a criação de jornais, emissoras e programas radiofônicos e televisivos, livros, peças teatrais, filmes, etc. De igual maneira deve preocupar-se também com a educação dos receptores, para que sejam sempre mais críticos e seletivos.

A pregação da Palavra de Deus na cultura da comunicação não deixa de ser, sobretudo, nos tempos atuais, um desafio e uma necessidade e, talvez, o meio mais eficaz de chegar ao homem moderno e à chamada “geração digital”.

Que muitas novas iniciativas sejam tomadas neste campo, sempre em sintonia com o que nos afirma o Concílio: “A Igreja católica considera seu dever pregar a mensagem de salvação servindo-se dos meios de comunicação social e ensinar aos homens a usar retamente estes meios (IM, n. 3).

(Darlei Zanon. Fonte: Para ler o Vaticano II, Paulus 2012).

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Primeiro Amor

Cidinha, primeiro Amor!

Quanto mais o tempo passa, mais histórias nós temos para contar aos nossos filhos, netos e amigos... Tudo que passamos nesta vida nos serve de inspiração para evocar o passado e suscitar nos leitores os mais ternos sentimentos... Só depende de cada um de nós!

Um dia desses, eu me peguei a pensar em uma história singular e única que me aconteceu em minha cidade natal Araçatuba, cuja lembrança me acompanha desde a infância até os dias de hoje: o doce sorriso de uma menina tímida e muito linda que encantou a minha vida e se tornou o meu primeiro amor. Não um amor banal, mas um amor extremamente terno e verdadeiro: O Primeiro Amor...

Em meu pequeno coraçãozinho de apenas onze anos de idade brotou o mais puro sentimento de amor, não o amor perverso que encontramos por aí, mas um amor tão puro e verdadeiro que se tornou parte do meu ser e cuja simples recordação me lembra de que um dia fui capaz de amar de verdade, com a pureza do amor dos anjos...

Não sabia a idade dela e nem me importava com isso, mas acho que ela devia ter um pouco mais de vivência do que eu, mas isso não fazia a menor diferença. Estar perto dela para mim era tão doce e sublime que me perdia encantado admirando sua boca bem formada e os cachos morenos de seu cabelo sedoso naquele rostinho lindo...

Nós estudávamos na mesma escola, na mesma classe de quarta série primária e ela se sentava bem próximo a mim, perto o suficiente para eu colocar bilhetinhos e às vezes uma fruta debaixo da sua “carteira”... Isso durou bastante tempo... Nossos olhares apenas se cruzavam de vez em quando e se desviavam timidamente... Nunca passou disso e nunca trocamos uma simples palavra sequer que pudesse expressar o que sentíamos... Para mim palavras eram completamente desnecessárias, para ela eu não sei o que passava naquela linda cabecinha de cabelos cacheados que vez ou outra me brindava com o mais lindo sorriso que já vi em toda minha vida...

Eu sempre insistia nos bilhetinhos e ficava sempre à espera de uma resposta que nunca vinha... Escrevia e esperava e nada de resposta... Até que um dia, após o término de todas as provas e já sabendo que havíamos terminado com louvor nosso curso primário, aquela boquinha encantadora me diz num sorriso lindo que jamais esqueci e que nunca esquecerei: “Você deixou cair esse bilhetinho no chão, pega logo...”.

Eu quase caí no chão ao me contorcer todo na cadeira para pegar o papelzinho todo dobrado e eu tinha a certeza de que era a primeira resposta que eu recebia depois de tanto tempo... Quase um ano inteiro... Meu coraçãozinho acelerou... O sinal de fim das aulas tocou... Ela se levantou e foi embora, não sem antes olhar para trás e me lançar aquele lindo sorriso, que mal sabia eu que seria o último sorriso dela que eu veria por quase cinquenta anos...

Eu tinha que sair correndo para encontrar minha irmã que estudava em outra sala da mesma escola e meu severo pai me obrigava a encontra-la na porta da classe antes que ela saísse e ai de mim se não fizesse isso, pois ele sempre ficava sabendo e o “couro do chicote comia solto no meu lombo de criança”...

Enfiei o bilhetinho no bolso do uniforme e corri para a classe de minha irmã, louco de vontade de ler o bilhete dela... Finalmente ela tinha respondido... Até que enfim ela tomou coragem e me deu algum sinal... Felicidade total...

Encontrei minha irmã e nos dirigimos para o portão de saída onde meu pai já nos esperava com a caminhonete azul e branca, pois morávamos na Zona Rural cerca de quinze quilômetros da escola...

Aí a coisa complicou um pouco para mim, pois eu não podia ler aquele bilhete estando ao lado do meu pai... Imagina se ele descobrisse, aí é que meu lombo ia sofrer... Contive minha vontade à custa de muito sacrifício durante toda a viagem para casa...

Chegamos... Desci do carro e abri a porteira... Queria ir andando até a casa grande para poder ler o bilhete, mas meu pai não deixou...

Ao descer do carro, minha mãe me chamou e me deu a maior bronca porque eu me esqueci de dar milho para as galinhas antes de ir para a escola às 05h30 da manhã... Puxou minha orelha, pegou minha sacola de livros e me fez tirar o uniforme ali mesmo onde estava, pois ela queria lavá-lo devido à sujeira que deixei minha roupa ao jogar bola durante o recreio... E como castigo me fez ir correndo, só de cuecas, lavar o chiqueiro dos porcos antes de almoçar...

Meu pai simplesmente se mandou para cuidar dos seus afazeres na fazenda e eu estava à mercê de minha mãe, que eu amava muito, mas naquele momento experimentei o que é sentir ódio de alguém...

Total confusão mental... Inferno total... O BILHETE ESTAVA DENTRO DO UNIFORME que ela ia lavar... E agora?!?

Só me restava ir lavar o chiqueiro e depois tentar falar com a menina dos meus sonhos para saber o que ela havia escrito no bilhete...

De repente, o céu desabou sobre minha cabeça com toda a força de uma tempestade de verão misturada com furacão... Ouvi minha mãe gritar para o nosso empregado: “Toninho, pega aquele moleque desgraçado e traz ele aqui pra mim, AGORAAAAA....

Desesperado com a surra iminente que eu ia levar, eu saltei o muro do chiqueiro e saí correndo pasto afora com toda a velocidade que minhas pequenas pernas podiam alcançar, mas o peão era mais forte e mais rápido...

Ele me alcançou na carreira e feito um bezerro em arena de rodeio ele me laçou com os braços fortes e me jogou no chão e depois me arrastou pelo braço até onde estava minha mãe... Ainda tentei fugir, mas aquelas mãos rústicas e calejadas me seguravam como as tenazes prendem o ferro em brasa em cima da fornalha... Minha mãe xingava e esbravejava: “Anda logo, desgraçado! Traz logo esse moleque aqui! Você não é homem não?

Desespero total... Acostumada a revistar os bolsos do meu uniforme escolar para não se ferir com os pregos, pedras, canivetes e outras porcarias que moleque arteiro carrega nos bolsos, naquele dia ela encontrou e leu o bilhetinho...

Ela simplesmente me fez mastigar e engolir o bilhete sem me dizer o que havia nele e depois disso, xingando muito alguns palavrões que eu nunca tinha ouvido, me deu uma surra homérica digna de qualquer escravo negro fujão antes da Princesa Isabel abolir a escravatura... Enquanto o peão me segurava pelos braços ela me chicoteava com gosto dizendo: “Ah! Então você quer fugir de casa pra casar? Ah! Seu fedelho! Vou te ensinar como é a vida!”...

E assim o chicote de couro lambia meu lombo arrancando pele e muito sangue, até que ela em sua raiva insana largou o chicote e pegou um cabo de vassoura feito de um galho de goiabeira e acabou me machucando muito e eu desmaiei... Não sei quanto tempo demorei a voltar, mas uma enfermeira muito carinhosa me acalmou enquanto tratava minhas feridas...

Uma semana de “molho” esperando as cicatrizes se formar e cessar as dores... Não podia voltar à escola... Eu queria muito, mas meus pais não deixavam... A saudade doía muito... Mas o mais dolorido era não saber o que minha amada tinha escrito naquele bilhete que ao final acabou alimentando meu sangue... Fazendo parte do meu ser... Ah! Se minha língua e meus dentes pudessem ler... Ou meu estômago, talvez...

Quando voltei à escola, as aulas já haviam terminado... Meu pai me deixou na porta da escola e saiu para resolver algo urgente e me fez esperar sozinho pelo diretor da escola com uma carta onde ele explicava que eu não poderia participar da festa de formatura e que era para ele me entregar o diploma de formatura...

Eu estava desesperado, muito triste, pois nunca mais veria a minha amada... O diretor demorou demais para chegar à escola... Meu pai voltou e disse que tinha que ir embora para a fazenda e que era para eu ir para a casa da minha avó e ficar lá até que ele tivesse um tempo para me buscar... Eu sabia muito bem ir da escola para a casa da minha avó, pois já havia feito esse caminho muitas vezes...

Enquanto esperava pelo diretor da escola, sentado em uma mesa da secretaria, a Tia Maria, que trabalhava na escola percebeu minhas cicatrizes quando levantei um pouco a camisa para diminuir a irritação do tecido sobre a pele dolorida... Sentou-se a meu lado e me perguntou o que havia acontecido...

Com muito carinho ela ouviu como toda minha história de amor havia terminado em tragédia... Pela primeira vez na vida eu chorei pela perda de um grande amor, o meu primeiro amor...

Enquanto enxugava as lágrimas eu vi a Tia Maria desaparecer pela porta da secretaria e voltar logo depois com um papelzinho com um nome e um endereço... Ela me disse: “Vai lá na casa dela e fala com ela! Aqui está o nome completo e o endereço dela.” Eu pulei no pescoço dela e lhe dei o mais puro beijo de agradecimento que alguém pode dar... Eu a vi enxugar as lágrimas e sair cambaleando pelo corredor afora...

Meu coração estava quase saindo pela boca! Acelerado ao extremo! Emoção à flor da pele! Finalmente eu conseguia sorrir... Olhava aquele nome e endereço com carinho e gravei imediatamente aquela informação... Não queria que ninguém mais visse aquele papel ou que ele se tornasse razão para mais uma sessão de pancadaria... Eu não aguentaria outra surra daquelas... Gravei os dados na memória e destruí o pequeno papel... Até hoje, quarenta e sete anos depois, ainda sei o nome dela e o endereço onde morava...

O diretor chegou, leu a carta do meu pai, desapareceu pela porta da diretoria e voltou algum tempo depois com um envelope fechado e mandou entregar para o meu pai...

Saí da escola em disparada, no mesmo ritmo que batia meu coração... Meus passos seguiam exatamente o compasso de suas batidas... Eu sabia onde era aquela rua, já havia passado por lá várias quando ia à Igreja São João aos domingos para a catequese e a missa dominical...

Um quarteirão antes da casa eu parei e com as mãos no joelho respirei fundo porque havia corrido uma grande distância... Acalmei meu sangue, me aproximei e bati palmas no portão da casa número 482 daquela rua... Um senhor de cabelos brancos e voz rouca gritou lá da porta: “O que você quer, moleque?” e eu respondi: “Preciso falar com a Cidinha!”. Ele respondeu: “Não tem ninguém aqui com esse nome.”. Aí eu falei o nome completo dela e um arrepio de emoção percorreu minha espinha... Ele respondeu: “Ah! Ela foi embora, não mora mais aqui!”. Em desespero total eu pedi que me desse o novo endereço dela e ele me disse que ia dar coisa nenhuma para mim... Bateu a porta na minha cara e desapareceu dentro da casa...

Me sentei na calçada... Chorei... Esbravejei... Xinguei... E bati palmas de novo na frente da casa disposto a dizer por que eu estava ali... Dessa vez uma senhora muito simpática veio até o portão e com voz doce me disse para ir embora, porque a Cidinha não morava mais ali e ela não podia dizer para onde ela tinha ido... Eu agradeci e fui embora.

Em lágrimas, fui para a casa da minha avó... Como eu já estava em férias e com o diploma do curso primário na mão, meu pai trouxe algumas roupas minhas e me deixou ficar lá por quase todo o período de férias.

Minha vida começou a evoluir lentamente, junto com um tio muito amado eu  comecei a trabalhar numa mercearia próxima à casa da minha avó e acabei passando uma boa temporada por lá, estudando o Curso Ginasial no Colégio Salesiano e trabalhando na mercearia...

Ainda voltei várias à casa onde minha amada morava, mas sempre recebia a mesma resposta... Até que um dia ao bater palmas no portão surgiu uma pessoa diferente que havia comprado a casa e aí eu me conformei, mas em toda minha vida, mesmo casado com filhos e netos, divorciado e no segundo casamento, nunca deixei de procurar pela Cidinha...

Com o passar dos anos, o relacionamento com meus pais se transformou completamente. Devido às muitas surras e espancamentos que sofri ao longo de minha vida, alimentei durante muito tempo um ódio insano por eles, mas depois do casamento com mais maturidade, melhor compreensão da vida, entendendo um pouco mais a drástica atitude deles e principalmente por me voltar totalmente à uma vida de práticas religiosas, eu alcancei o estágio da graça do perdão total.

Uma vez eu perguntei à minha mãe o que estava escrito naquele bilhete, mas ela me disse que por causa da idade, já não conseguia nem se lembrar da surra que me deu e nem do motivo...

Preciso desesperadamente saber o que ela escreveu naquele bilhete... Não quero morrer sem reencontrá-la e saber a verdade... Como ela está hoje? Onde vive? O que faz da vida?...

Esta história não termina aqui... Depois eu conto o final desta história...

Um carinhoso abraço e beijo a todos vocês!

Dermeval Neves